Danos ao pulmão e cérebro dos bebês devido a poluição é alertada pela Unicef

As zonas com poluição seis vezes maior do que o limite considerado normal contam com uma população de 17 milhões de bebês em risco de contaminação dos pulmões e de desenvolvimento cerebral, informou o Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Unicef.

O diretor-executivo da organização, Anthony Lake, alerta que essas substâncias contaminantes danificam não somente os pulmões em desenvolvimento dos bebês, mas podem prejudicar também seu desenvolvimento cerebral afetando eles futuramente.

“A poluição tem um impacto no aprendizado das crianças, de sua memória, sua capacidade linguística e motora”, explica o autor do documento, Nicholas Rees.

O relatório chamado Perigo Ar, divulgado no dia 6 de novembro em Daca, apontou que mais de três quartos dos menores de 1 ano, ou seja 12,2 milhões de bebês, respiram um ar impróprio sendo seis vezes acima dos níveis estabelecidos no Sul da Ásia. Países como a Índia e a China lideram a lista com o maior número de bebês com exposição a poluição, diz o relatório.

A Unicef informou também que essas crianças não vivem em condições favoráveis à saúde, muitas moram em favelas e estão expostas a riscos devido a falta de água potável e condições sanitárias que as deixam vulneráveis a algumas doenças.

Cerca de 4,3 milhões de bebês vivem em péssimas condições no extremo Oriente e no Pacífico. De acordo com o relatório, a poluição entra na corrente sanguínea, através de partículas ultrafinas, criando uma barreira entre o sangue e o cérebro que causa uma neuroinflamação, sendo esse caso especialmente perigoso aos bebês devido aos seus cérebros serem vulneráveis nessa idade.

Algumas áreas fundamentais para a comunicação entre neurônios podem ser afetadas por essa partículas, e outras devido a carga magnética, podem causar doenças neurodegenerativas.

A Unicef pediu um investimento maior em energias renováveis e a melhora do acesso ao transporte público.

O documento do Unicef afirma: “Mas um número crescente de pesquisas científicas destaca um novo risco potencial representado pela contaminação do ar para a vida e o futuro das crianças: o impacto no cérebro em desenvolvimento”.

A Unicef também recomenda que os pais transportem, as crianças em horários do dia em que a poluição está reduzida.