Venda de veículos sobe no mês de março

Neste último mês de março, as vendas de automóveis no Brasil aumentaram depois de 2 anos de baixa. A última vez que foi registrado crescimento neste mercado foi em dezembro de 2014.

De acordo com os dados apresentados, foram comercializados 189.143 carros considerados comerciais leves. A venda de caminhões e ônibus apresentou um crescimento de cerca de 5,5% em comparação aos outros meses (179.279).

A Fenabrave, (Federação dos distribuidores) foi quem forneceu os dados. De acordo com a federação o comercio de automóveis não mostrava um crescimento considerável desde 2014.

Mas mesmo com a notícia positiva, a Fenabrave afirma que o crescimento naquele ano foi superior, quase o dobro deste mês. Em dezembro de 2014 foram vendidos cerca de 370 mil automóveis.

Ainda comparando este mês com outros, a federação afirma que este mês foi melhor que o mês passado. Fevereiro teve menos dias uteis, portanto março apresentou uma alta de 39, 4%.

O ano ainda não acabou, mas de acordo com os cálculos, este ano pode mesmo com o crescimento considerável em março, apresentar queda. Durante os primeiros 3 meses do ano em 2016 foram vendidos 472.004 automóveis.

Se houver crescimento, a Fenabrave acredita que ainda sim o volume de carros vendidos durante o ano todo será menor do que no ano de 2006.

Os mais vendidos

O maior crescimento esta com a GM e o seu modelo Onix. O hatch compacto já foi comprado mais de 14 mil só este ano.

O Segundo automóvel mais vendido é o HB20 da Hyundai, com mais de 10 mil vendas. De acordo com a federação estes dois modelos foram os únicos a ultrapassar a barreira dos 10 mil vendidos até o momento.

O terceiro é o Ford Ka. A marca afirma já ter realizado mais de 8 mil vendas do modelo.

Depois destes 3 modelos, ainda estão na lista outros modelos bastante populares mais que não estão indo bem. Volksvagen (Gol), Toyota (Corola), Fiat (Strada) e Chevrolet (Prisma).

Entre os modelos SUVs, existe uma briga párea. As marcas Nissan, Jeep e Hyunda estão de certo forma todos empatados. Cada marca vendeu cerca de 3 mil exemplares.

Outras marcas não tiveram a mesma sorte, mas com a promessa de crescimento, mesmo que pequeno, a Fenabrave acredita que os números serão ligeiramente positivos para todas as marcas com forte representação no mercado brasileiro.