Depois de furacão o observatório da Nasa volta a funcionar e fez imagens de um asteroide

Localizado em Porto Rico, o Observatório de Arecibo passou um tempo fechado depois que  o furacão Maria  passou pela ilha. Quando ele voltou a funcionar, ele captou imagens de um asteroide que passou perto do nosso planeta, com aproximadamente seis quilômetros de extensão.

Segundo a Nasa, o asteroide 3200 Phaethon pode ter causado a chuva de meteoros Geminídeos, sendo que o radar do observatório fez uma nova imagem do asteroide e a agência pôde identificar, que ele é esférico e que possui uma extensão de pelo menos seis quilômetros, apresentando um tamanho maior do que os pesquisadores acreditavam que ele tinha.

Os pesquisadores puderam observar e fazer imagens dele entre os dias 15 a 19 de dezembro, quando se constatou que o 3200 Phaethon foi o segundo maior corpo celeste que passou perto da Terra. Ainda de acordo com a Nasa, esse asteroide devido à proximidade e ao seu tamanho, ele era considerado teoricamente perigoso ao nosso planeta. O momento em que ele esteve mais próximo da Terra, aconteceu no dia 16 de dezembro, quando ele passou à distância de 10,3 milhões de quilômetros, o que equivale ir até a Lua 27 vezes.

De acordo com Flaviane Venditti, cientista brasileira que integra o grupo de pesquisadores do radar do observatório, antes de mandar qualquer viatura espacial para poder tentar mudar o destino de um cometa ou asteroide, é necessário estudar e identificar minuciosamente tudo o que está em volta dele. Outro fator importante é descobrir as particularidades do asteroide, para que todo o processo realizado para desviar o corpo celeste da sua trajetória, possa obter êxito na sua missão em caso de perigo de colisão com o planeta Terra.

Depois que o furacão Maria passou por Porto Rico, o radiotelescópio apresentou alguns danos em sua estrutura, mas ele não demorou a voltar a funcionar. Mas o radar precisou de três meses para voltar a funcionar, já que a energia elétrica dessa região da ilha, ainda não tinha sido completamente reestabelecida. O radar é um elemento imprescindível para descobrir a localização do asteroide, e o observatório durante esses meses, estava contando com o seu gerador de energia para continuar funcionando.

O observatório que fica em Porto Rico já detectou diversos asteroides, possibilitando o estudo do seu formato, rugosidade, superfície, tamanho, a sua rotação e ele consegue também detectar a sua órbita com exatidão.