Coreia do Norte diz já possuir míssil nuclear

Resultado de imagem para coreia do norte misseis nucleares

A Coreia do Norte já possui um míssil capaz de carregar uma ogiva nuclear. A informação foi dada pelo país asiático após a realização de um teste com um míssil balístico. O experimento foi bem-sucedido. O projétil viajou mais de 700 km até cair no mar, perto da Rússia. Especialistas acreditam que o míssil disparado é do modelo Hwasong-12, desenvolvido pela própria Coreia do Norte e usado também pelo Irã.

O teste e a revelação do poderia nuclear norte-coreano colocaram ainda mais tensão na relação entre EUA, China e Coreia do Norte. Desde que foi eleito, o presidente dos EUA, Donald Trump, vem alertando que não permitirá que a Coreia do Norte avance com seu programa militar, e ameaçou entrar em guerra com a nação comunista.

Ameaça

“O objetivo do teste foi o de verificar as especificações táticas e tecnológicas do recém-desenvolvido foguete balístico, capaz de carregar uma grande bomba nuclear. Agora os Estados Unidos continental estão ao alcance de nossas armas, por isso o governo americano não deve nos provocar”, informou a agência de notícias estatal da Coreia do Norte, a KCNA.

Muitos especialistas duvidam da capacidade norte-coreana de atingir o continente americano, mas confirmam que os novos mísseis podem atingir territórios americanos no Oceano Pacífico e na Ásia, a exemplo do território de Guam, onde os estadunidenses mantêm uma grande e estrategicamente importante base militar.

O pesquisador David Wright, do UCS Global Security Program, acredita que o novo míssil, possivelmente o mais potente da Coreia do Norte, tem raio de alcance de 4.500 quilômetros (aproximadamente a distância entre Porto Alegre e Manaus). Guam está a 3.400 km da Coreia do Norte, enquanto que os Estados Unidos continental estão a 8.000 km.

Governo americano reage

“Que esta última provocação sirva de chamado a todas as nações para implementar sanções muito mais fortes contra a Coreia do Norte”, disse o governo americano em comunicado à imprensa.

A Casa Branca acrescentou ainda que “a Rússia não deve estar feliz”, em uma tentativa de fazer o presidente russo, Vladimir Putin, se unir à pressão contra o presidente norte-coreano, Kim Jong-um. Apesar disso o governo russo se limitou a dizer que os projéteis da Coreia do Norte não representam nenhuma ameaça ao país. “A nossa preocupação é a escalada da tensão na península coreana”, disse o Kremlin.

A Coreia do Sul, que tecnicamente ainda está em guerra com a Coreia do Norte, também reagiu. O recém-eleito presidente Moon Jae-in chamou o teste de “provocação insensata”.