A discriminação de gênero está diminuindo em relação aos profissionais de educação infantil do sexo masculino

Image result for discriminação de gênero infantil

Apenas 4% dos professores de creches no Brasil são homens, um número que apesar de baixo cresceu nos últimos 7 anos. Existem alguns motivos para que isso aconteça, um deles é o preconceito.

O professor Anderson Nunes Louro, é muito conhecido e popular no bairro onde trabalha com as crianças. Ele é um dos raros exemplos de professores homens na educação infantil. “Na verdade o primeiro impacto é com os país se assustando, mas depois de algumas interversões, conversas, olhando nosso profissionalismo, isso acaba”, diz Anderson.

Na sala ao lado o professor José Tiago França, é o querido das crianças, ele já está acostumado a ter mais colegas mulheres. “Na faculdade eram 120 alunas para cada 2 homens”, explica Tiago.

Enquanto alguns deles são bem-aceitos, outros esbarram na resistência dos pais em ter um docente do sexo masculino dando aulas para seus filhos. “A impressão é que todos os rapazes que vão trabalhar com educação infantil têm algum problema psicológico, alguma perversão, sendo que isso é uma distorção da realidade da sociedade, isso não é verdade”, diz a professora de educação da USP, Maria Letícia Nascimento.

Essa resistência é um indício de que parte da sociedade ainda atribui à mulher os cuidados com as crianças. Tanto em casa quanto na escola, mães e pais costumam reproduzir mesmo que de forma inconsciente esse estigma, mas algumas escolas já defendem a contratação de bons profissionais, independente do gênero.

A rede municipal de educação de São Paulo ainda sofre com a disparidade. De um total de 26 mil professores na educação infantil, somente 350 são homens e há um outro motivo que agrava esse quadro: “Evidentemente os rapazes ficam pouco estimulados a trabalhar com a educação infantil, porque o salário é efetivamente muito baixo”, explica Maria Letícia.

De forma discreta o cenário está mudando no Brasil. Segundo o censo escolar do ano passado 3,7% dos professores que atuavam com alunos de faixa etária de 0 a 5 anos são homens. Em 2009 eles representavam 2,8%. “Você tem um bom professor, que faz um bom trabalho e tem um boa relação com as crianças e deixa isso transparecer para os pais, isso é uma garantia de que não haja nenhum problema por ser um homem ou uma mulher trabalhar com as crianças pequenas”, afirma Maria Letícia.

Coleta Seletiva: uma medida muito importante para o meio ambiente

Resultado de imagem para coleta seletiva

A coletiva seletiva é uma forma de separar os resíduos sólidos que são gerados pelas atividades humanas e assim promover uma melhor destinação final a eles. A Política Nacional de Resíduos Sólidos, Lei nº 12.305/10, estabelece que a implantação da coleta seletiva pelos municípios é obrigatória e deve fazer parte do conteúdo mínimo dos planos de gestão integrada de resíduos sólidos. Dessa forma, é viável ter um sistema capaz de recolher materiais recicláveis, como papéis, plásticos, vidros, metais e orgânicos.

A separação dos resíduos sólidos é importante não só para o meio ambiente, mas também para a sociedade e empresas, em virtude de conseguir diminuir a poluição dos solos e rios. Esses resíduos, quando recebem a devida destinação, deixam de ser lixo e passam a ter valor. Isso possibilita a geração de renda e economia para as organizações, tendo em vista a problemática que o lixo produz em termos de questões ambientais e, ainda, de saúde pública.

Desse modo, a coleta seletiva evita as consequências causadas pela destinação inadequada do lixo, como o surgimento da proliferação de vetores e doenças, a contaminação de lençóis subterrâneos e do solo, devido à formação do chorume (líquido de coloração escura, turva e de odor forte produzido a partir da decomposição de substâncias presentes nos resíduos sólidos e prejudicial à saúde), e a poluição do ar, lançada por meio das queimadas.

E são várias as vantagens de realizar a coleta seletiva, como a reciclagem de materiais que teriam como destino lixões e aterros sanitários, sendo que, posteriormente, voltam como matéria-prima de qualidade e exigem menos desperdício de água e energia. Além disso, esse processo traz economia e os materiais recicláveis faz com que não haja necessidade de retirar os recursos naturais do meio ambiente, garantindo então o desenvolvimento sustentável. Vale ressaltar, também, o conceito dos “3R’s”, que desempenham papel significativo na coleta seletiva, de forma que é possível reduzir, reutilizar e/ou reciclar os materiais.

Portanto, é preciso conscientizar as pessoas sobre a importância de praticar a coleta seletiva é a educação ambiental, através de informações necessárias e práticas adequadas para tomadas de decisões, vinculada a uma conduta ética que proporciona uma melhor qualidade de vida para toda a sociedade. Saiba mais sobre as vantagens de implantar a coleta seletiva clicando aqui.

 

 

Eduardo Sirotsky Melzer recebe destaque de consultoria internacional

Eduardo Sirotsky Melzer acaba de receber mais uma honraria em reconhecimento a seu desempenho à frente do Grupo RBS.

Trata-se da inclusão de seu nome em lista divulgada pelo Cambridge Institute for Family Enterprise, que o coloca entre os principais empreendedores no comando de negócios familiares ao redor do planeta. Na verdade, esta é a terceira vez ´consecutiva que os selecionadores concedem a distinção ao jovem executivo brasileiro.

O ranking é divulgado anualmente pelo Cambridge Family Enterprise Group, uma organização internacional fundada em 1989, dedicada à prestação de consultoria especializada na orientação de famílias empreendedoras.

O processo de identificação dos executivos que se destacam é capitaneado pelo Professor Doutor John Davis, da Harvard Business School, fundador e atual presidente do Conselho Administrativo do Cambridge Family Enterprise Group. Com vida profissional dedicada ao tema, tornou-se um dos consultores mais requisitados mundialmente para orientar negócios de base familiar. É ele que, respaldado pela autoridade que alcançou no tema, conduz a equipe de especialistas responsáveis pela definição dos escolhidos da lista em que Eduardo Sirotsky Melzer foi incluído.

Entre os critérios observados pelos selecionadores para chegar à composição final da relação de executivos estão aspectos como o pioneirismo demonstrado pelos potenciais integrantes do grupo, o nível de excelência demonstrado na condução dos negócios e a relevância de suas ações para a comunidade de que fazem parte.

Fica claro que os escolhidos formam um conjunto de executivos que têm em comum a convicção de que seus negócios seriam de pouco valor se fossem tratados como fins em si mesmos. Para eles, a maior riqueza que geram por meio de seu trabalho está na possibilidade de tornar a sociedade melhor.

Os componentes da lista também possuem em comum o fato de serem todos herdeiros, um grupo de pessoas nem sempre bem visto pela sociedade. Frequentemente são apontados como afortunados nascidos em berço de ouro e não merecedores do destaque que recebem.

Mero preconceito que o esforço feito pelo Cambridge Family Enterprise Group pretende que seja superado. Eduardo Sirotsky Melzer, por exemplo, começou a trabalhar por conta própria ainda na década de noventa, quando contava pouco mais de vinte anos. Iniciou sua carreira no Brasil, atuando no mercado financeiro e de franchising, chegando ao posto de franqueador master da multinacional Sweet Sweet Way. Participou ainda de projetos da consultoria Booz Allen & Hamilton. Nos Estados Unidos, foi analista sênior da Delphi Corporation e diretor-geral da Box Top Media, empresa de mídia não tradicional, localizada em Nova York. Apenas em 2004, já com trinta e dois anos, iniciou suas atividades como parte do quadro efetivo do Grupo RBS.

Assim como fez profissionalmente, atual presidente do Grupo RBS, Eduardo Sirotsky Melzer preparou-se do ponto de vista acadêmico. Graduou-se em Administração pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PUCRS e obteve o grau de Master in Business Administration – MBA na Harvard Business School.

Em suas contas nas redes sociais, Eduardo Sirotsky Melzer se disse honrado com a nomeação, parabenizou os demais indicados e agradeceu especialmente ao Professor Doutor John Davis pelo reconhecimento.

 

Foram descobertos quarenta genes ligados a inteligência

Pesquisadores afirmam que encontraram 40 novos genes ligados à inteligência, mas dizem que sua descoberta não mostra nenhum padrão genético claro para a inteligência. Em vez disso, ele mostra que a inteligência é possivelmente ainda mais complexa do que qualquer um pensava, e não facilmente explicada. E isso significa especialmente que projetar bebês inteligentes não está em um futuro próximo.

O estudo apontou para 52 genes que influenciam a inteligência, alguns deles previamente identificados. No entanto, eles representam menos de 5% da variação na inteligência humana, a equipe de pesquisa relata na revista Nature Genetics.

Muitos dos genes possuem outros papéis conhecidos, embora a maioria esteja envolvida no desenvolvimento do cérebro, descobriu a equipe internacional de pesquisadores. “Essas descobertas proporcionam uma nova visão da arquitetura genética da inteligência”, escreveu em seu relatório a equipe, liderada por Danielle Posthuma, da VU University de Amsterdã .

Eles estudaram bancos de dados cobrindo mais de 78 mil adultos e crianças – todos eles de ascendência europeia. Estes incluíram o BioBank da Grã-Bretanha, que contém amostragem e análise de genomas inteiros de uma variedade de voluntários, bem como um banco de dados de pessoas excepcionalmente inteligentes e alguns estudos de gêmeos.

Eles usaram dois tipos diferentes de análises genômicas para identificar genes associados à inteligência, observando todos os genes no mapa do DNA humano. Em geral, eles identificaram 52 genes, incluindo 40 que não tinham sido ligados com a inteligência antes.

“Nós mostramos que os genes identificados são predominantemente expressos no tecido cerebral, e a análise de via indica o envolvimento de genes que regulam o desenvolvimento celular”, afirma a equipe.

E embora 52 genes pareçam muito, eles apenas explicam uma pequena parte das diferenças de inteligência entre uma pessoa e outra. “Nossos cálculos mostram que os resultados atuais explicam até 4,8% da variação na inteligência”, escreveram.

Genes representaram cerca de 70% da variação nos níveis de educação entre as pessoas estudadas, a equipe descobriu. Outros estudos mostraram que até metade da inteligência de uma pessoa é herdada, o que deixa metade para outros fatores.

Alguns dos genes são interessantes. Um, chamado SHANK3, está envolvido na formação de sinapses – as conexões entre as células cerebrais. “Mutações nesse gene são uma causa de distúrbio do espectro do autismo, que é caracterizada por deficiências na interação social e comunicação, e padrões comportamentais e interesses restritos. Mutações neste gene também causam esquizofrenia tipo 15”, escreveu a equipe.

Várias versões de outro, chamado FOXO3, estão ligados à morte das células cerebrais. “Além disso, mostrou-se associado à longevidade”, afirmou a equipe. Outros estão associados à obesidade e à doença de Alzheimer. Pode levar muitos anos para provocar todas as várias formas desses genes e como eles afetam a inteligência, outros traços e doenças.

Os cientistas sabem que só muito raramente existe um único gene para qualquer traço humano. Mutações em um único gene causam fibrose cística, por exemplo, e algumas outras doenças raras. Normalmente, traços como cor dos olhos, cor da pele e altura são afetados por um número de genes e por outros trechos de DNA.

 

Dois atentados em Londres chocaram o mundo nas últimas semanas

Image result for londres

No intervalo de duas semanas o Reino Unido foi palco dois atentados terroristas que mataram e hospitalizaram dezenas de pessoas. O primeiro ataque ocorreu no final do show da cantora Ariana Grande, em Manchester, quando um homem bomba explodiu a si mesmo na saída do evento. O ataque levou à morte de vinte e deixou mais dezenas feridos, a maioria crianças e adolescentes que foram prestigiar o espetáculo. No último sábado (02/05) a população ainda enlutada sofreu novo atentado tão devastador quanto o primeiro.

Três homens em uma van atropelaram pedestres que transitavam em uma área movimentada da cidade, a London Bridge. Em seguida os mesmos desceram do veículo armados com facas, desferindo golpes em quem encontrassem pela frente. Os assassinos foram mortos pela polícia no local em poucos minutos, mas, ainda assim, pessoas morreram em decorrência dos ferimentos e mais quarenta encontram-se hospitalizadas.

O Reino Unido já sofreu ao todo três ataques terroristas este ano, se levarmos em consideração o ocorrido em 22 de março perto do Parlamento no distrito de Westminster que matou cinco pessoas. Segundo as autoridades policiais, os ataques ocorridos recentemente guardam características semelhantes àquele ocorrido no início do ano.

Theresa May relaciona atentados ao extremismo religioso do islã

Líderes de Estado em todas as partes do mundo prestaram condolências, pessoas de diversos países manifestaram solidariedade para com os ingleses e a comoção mundial diante de tamanha violência. Faltando apenas alguns dias até as eleições no Reino Unido, o que pode determinar se a Inglaterra permanece ou não no bloco europeu.

A primeira-ministra britânica, Theresa May declarou que as eleições acontecerão normalmente na próxima quinta-feira (08/05). Segundo a mesma, os atentados estão ligados ao extremismo islamita e que vencer essa ideologia é um dos desafios mais importantes para a humanidade. May concorre à reeleição e na última semana enviou um porta-voz ao debate televisivo com os demais candidatos ao cargo de primeiro ministro da Inglaterra, o que gerou muita polêmica.

É necessário lembrar, entretanto, que a Europa está vivendo também uma onda de conservadorismo em resposta à crise dos imigrantes ocasionada pela guerra na Síria. Existe uma pequena parcela da população árabe que segue ao pé da letra o Alcorão e estes consistem em fanáticos religiosos. O preconceito em relação aos povos árabes, entretanto, aumenta a cada dia no velho continente.

 

 

 

Já está no ar a terceira fase da campanha de lançamento do Kwid da Renault – A criação é da Neogama, agência de Alexandre Gama

Ainda este ano, a Renault deve lançar o seu novo compacto, o carro Kwid. Mas o que já está correndo pelos canais digitais e redes sociais é a campanha de lançamento do modelo, criada pela Neogama – uma das 20 maiores agências de publicidade do Brasil, fundada pelo publicitário e empresário brasileiro Alexandre Gama, atualmente CEO da empresa.

Questionamentos do segmento de automóveis compactos, a dificuldade de pronúncia do nome “Kwid”, os features do novo carro, e a pré-venda do modelo são os temas de cada uma das quatro etapas em que foi dividida a peça publicitária – que tem duração de quatro meses. “Renault Kwid. O SUV dos compactos” é o conceito utilizado.

“Desde que fomos apresentados ao Kwid, entendemos que o carro vem para mudar a percepção que o consumidor tem do segmento de compactos. Por isso, antes de mais nada, posicionamos o Kwid de forma que o descolasse de toda a categoria. Daí surgiu ‘O SUV dos compactos’, conceito que norteou uma campanha ampla e subdividida em quatro diferentes fases, somando mais de 15 filmes digitais ao longo de quatro meses. Tudo com bom-humor, simplicidade e protagonismo para o Kwid como marca registrada”, conta o Diretor de Criação da Neogama, Fabio Mozeli.

Os filmes sobre o segmento de carros compactos, que, em abril, abriram a campanha que tem como Diretor Geral de Criação o CEO Alexandre Gama, trazem depoimentos reais de consumidores que destacam insatisfações com modelos dessa categoria – como o pouco espaço interno, o porta-malas pequeno e a baixa tecnologia.

Na segunda etapa, os filmes exploraram, com bom-humor, o nome pouco comum do carro. A dificuldade de se pronunciar Kwid é comparada às formas equivocadas com que muitos brasileiros pronunciam palavras do cotidiano – como por exemplo, “mortandela”, “asterístico”, “dible” e “pírula”.

Os dois novos filmes que estão no ar dão início à terceira fase da peça publicitária que, agora, já apresenta o automóvel como protagonista. Essa etapa é composta por oito comerciais e, novamente, com bom-humor, cada filme retrata um diferencial específico do modelo. Os temas desses dois primeiros vídeos dessa fase são o espaço interno e a altura livre do solo.

A quarta e última fase do pré-lançamento do Renault Kwid trata-se da pré-venda do modelo – que contará também com uma grande ação comandada por influenciadores digitais, durante o Salão do Automóvel de Buenos Aires, na Argentina.

Alexandre Gama e a Neogama

O publicitário fundou a Neogama em 1999 e ela configurou-se na agência que mais cresceu no Brasil em seus três primeiros anos de existência. Além disso, o empreendimento de Alexandre Gama foi o primeiro da categoria, no Brasil, a ganhar um Leão no Festival de Cannes ainda em seu primeiro ano de vida.

A Neogama associou-se à BBH, agência de Londres, em 2002, passando a se chamar Neogama/BBH. No mesmo ano, a empresa foi eleita à Agência do Ano pelo jornal Meio e Mensagem – tornando-se a mais jovem agência a vencer o Prêmio Caboré até então. Um ano depois, em 2003, foi a primeira brasileira a ganhar dois Leões de Ouro em Cannes em um mesmo ano, nas duas principais categorias do Festival: Press e Filme.

Em 2012, a rede BBH e a Neogama foram adquiridas pelo Publicis Groupe. Recentemente, em 2016, Alexandre Gama e a Neogama desligaram-se da rede BBH e o publicitário passou a se dedicar integralmente à operação da agência no Brasil, que voltou a se chamar apenas Neogama.

 

 

Estados Unidos realiza teste de míssil de interceptação de longo alcance no Oceano Pacífico

O Pentágono testou com sucesso um míssil de interceptação de longo alcance dos EUA no Oceano Pacífico no dia 30 de maio, em um exercício destinado a ajudar a avaliar a prontidão americana para combater uma ameaça potencial da Coreia do Norte. Durante o teste, a Agência de Defesa de Mísseis do Pentágono lançou um foguete interceptador de um silo subterrâneo na Base da Força Aérea de Vandenberg, na Califórnia. O interceptor atingiu e destruiu um míssil de alcance intercontinental disparado de um local de teste no Atol Kwajalein no Pacífico, anunciou o Pentágono.

O diretor da Agência de Defesa de Mísseis dos EUA, o vice-almirante Jim Sering, chamou o teste de um “marco crítico” em um comunicado. “Este sistema é de vital importância para a defesa da nossa pátria, e este teste demonstra que temos um impedimento capaz e credível contra uma ameaça muito real. Estou incrivelmente orgulhoso dos guerreiros que executaram este teste e que operam este sistema todos os dias”, disse Syring.

O teste do exército dos EUA ocorre após o lançamento de um projétil militar na Coreia do Norte, que desembarcou na zona econômica marítima do Japão. Ele também vem em meio a tensões aumentadas entre os EUA e Pyongyang sobre as contínuas provocações da Coreia do Norte sob o líder Kim Jong Un.

A Coreia do Norte disse que está trabalhando em um ICBM (Míssil Balístico Intercontinental), que poderia atingir a Costa Oeste, e as autoridades americanas estão preocupadas com a possibilidade de que os norte-coreanos possam miniaturizar uma ogiva para colocar um ICBM em ação. O general John Hyten, chefe do Comando Estratégico dos EUA, disse que Pyongyang já possui capacidade de lançar um ICBM, mas ainda não possui uma ogiva miniaturizada.

O teste de US$ 244 milhões não confirma necessariamente que o exército americano é capaz de se defender contra um míssil de alcance intercontinental disparado pela Coreia do Norte. Pyongyang também é visto mais próximo da capacidade de colocar uma ogiva nuclear em um míssil, sendo assim ele poderia ter desenvolvido chamarizes sofisticados o suficiente para enganar um interceptor para perder a verdadeira ogiva.

O presidente Donald Trump foi informado após um teste de mísseis da Coreia do Norte no início deste mês e a Casa Branca disse em um comunicado na época que “a Coreia do Norte tem sido uma ameaça flagrante por muito tempo”.

Durante uma visita recente à Coreia do Sul, o secretário de Estado, Rex Tillerson, disse que “a política de paciência estratégica (com a Coreia do Norte) terminou”, e acrescentou que a ação militar poderia estar na mesa se a Coreia do Norte elevasse a ameaça de seus programas de armas.

Antes do dia 30 de maio, o teste de intercepção mais recente aconteceu em junho de 2014, também foi bem sucedido, mas o histórico mais longo é irregular. Uma vez que o sistema foi declarado pronto para o uso potencial de combate em 2004, apenas quatro das nove tentativas de interceptação foram bem-sucedidas.

A Coreia do Norte diz que seus programas nucleares e de mísseis são uma defesa contra as ameaças militares dos EUA percebidas. Laura Grego, cientista sênior da Union of Concerned Scientists, que criticou o programa de defesa antimíssil dos EUA, chama o interceptor de um “protótipo avançado”, o que significa que não está totalmente amadurecido tecnologicamente, mesmo que tenha sido implantado e teoricamente esteja disponível para combater desde 2004.

 

Ministra da Saúde da Venezuela é demitida após revelar dados mostrando aumento de mortalidade infantil e materna

Resultado de imagem para Antonieta CaporaleO presidente venezuelano, Nicolás Maduro, demitiu a ministra da saúde, Antonieta Caporale, dias após a primeira liberação de dados do governo sobre a saúde em dois anos, mostrando um grande aumento das taxas de mortalidade infantil e materna. O vice-presidente Tareck El Aissami anunciou através de sua conta no Twitter que o farmacêutico Luis Lopez estava substituindo Caporale a pedido de Maduro.

Os disparos ocorreram depois que o ministério da saúde divulgou recentemente novos dados mostrando que as mortes maternas e infantis e os casos de malária estão subindo rapidamente no país, já enfrentando uma grave escassez de medicamentos.

Caporale estava no trabalho desde janeiro. Os dados de seu escritório mostraram que casos os confirmados de malária em 2016 foram de 240.000, um aumento de 76% em relação ao ano anterior. As mortes maternas ou relacionadas à gravidez aumentaram 66%, para 756 casos. No ano passado, 11.466 crianças morreram, um aumento de 30%.

O novo ministro da saúde, Lopez, foi o vice-ministro de hospitais do governo nacional e secretário de saúde do estado venezuelano de Aragua, segundo a agência estatal de notícias AVN.

Os aumentos assombrosos ilustram o quanto a Venezuela carece da medicina básica, equipamentos e suprimentos para tratar até mesmo o mais simples dos ferimentos. “Se você precisa de uma operação, hoje em dia, você deve trazer seus próprios medicamentos para o hospital”, diz Eugenia Morin, uma dona de casa de 59 anos que protestou contra o governo na semana passada. “Não há suprimentos para atender as emergências mais básicas.”

O país já estava enfrentando uma escassez de mais de 80% dos medicamentos que os médicos precisaram em junho do ano passado, de acordo com estatísticas da Federação Venezuelana de Farmacêuticos. E não é apenas medicina. Os pacientes são responsáveis por qualquer material necessário para tratá-los: agulhas, gazes, solução salina. Os pacientes que conseguem juntar o dinheiro para comprar esses itens tornam-se alvos do crime – os quartos de hospital não estão a salvo de ladrões que procuram vender medicamentos no mercado negro.

E mais de 13.000 médicos – cerca de 20% da mão de obra médica da Venezuela, deixaram o país nos últimos anos à medida que o setor de saúde entrou em colapso.

A falta de alimentos complica a escassez de saúde

Os números de saúde representam apenas uma das muitas crises enfrentadas pela Venezuela, uma vez que é a Venezuela seja a nação mais rica da América Latina e lar das maiores reservas de petróleo do mundo.

Os venezuelanos sofrem também da grave escassez de alimentos. De acordo com uma empresa nacional de pesquisas, o venezuelano médio que vive em extrema pobreza no ano passado perdeu quase 19 quilos devido à falta de alimentos e refeições adequadas.

As prateleiras dos supermercados estão muitas vezes vazias. A inflação – que deverá aumentar 720% este ano, de acordo com o Fundo Monetário Internacional – faz com que qualquer alimento disponível seja muito caro para qualquer um comprar.

Agência Mullen Lowe Brasil, de José Borghi, lançou nova campanha para o TSE

Em março de 2017, a agência Mullen Lowe Brasil, cujo o co-CEO é um dos grandes publicitários do Brasil, José Henrique Borghi, lançou uma campanha para incentivar o cadastramento da impressão digital de eleitores. A partir do ano de 2008, a Justiça Eleitoral brasileira passou a investir na identificação biométrica dos eleitores. Esse avanço tecnológico facilita o cadastro nacional de eleitores, sendo possível identificar e evitar duplicidade de registro. O tema da nova campanha do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que recebeu assinatura da Mullen Lowe Brasil, chamou-se “A digital de cada um faz a diferença”.

A agência de a qual  José Henrique Borghi é co-CEO elaborou uma campanha regionalizada e contou com a participação de 30 personagens em ilustração digital. Foi uma forma de representar a diversidade e multiculturalidade da sociedade brasileira, por meio de “dedoches” (fantoches de dedos), que ilustram peças impressas e digitais, além de filmes em animação. A assessora-chefe de comunicação do TST, Giselly Siqueira, ressaltou a importância de trabalhar a campanha dessa forma, pois era necessário falar com o cidadão de cada Estado de tal forma que ele se identificasse com a mensagem proposta, através de um projeto nacional que servirá de auxílio para as ações locais.

Dessa feita, foram realizados vídeos de diferentes estilos musicais, como rock, pop, forró, sertanejo e tecnobrega, sendo que cada um representa uma específica região do Brasil. A ideia da Mullen Lowe Brasil, que tem José Henrique Borghi como co-CEO, contou com a participação dos cantores Jair Oliveira e Wilson Simoninha, responsáveis pela direção musical. Já a direção geral foi de Fred Farah, da Biruta Filmes, que desenvolveu um filme nacional e as cinco versões regionais. Logo, observa-se nos vídeos que os “dedoches” cantam e dançam as músicas da campanha, com conteúdo disponível nas redes sociais, rádio, televisão e internet.

Por que é importante o cadastramento biométrico? O cadastramento biométrico é uma ferramenta que proporciona aos cidadãos segurança na hora do voto. A biometria é um meio de reconhecer automaticamente o indivíduo e é utilizado como base para sistemas de identificação. Desse modo, a urna eletrônica passar a ter um sistema de identificação através da impressão digital e só possibilita a realização do voto após o reconhecimento do eleitor. Além disso, o eleitor que não realizar esse cadastramento corre o risco de ter seu título cancelado e, consequentemente, pode ficar impedido de ser matricular em universidade pública, prestar concurso público, tirar passaporte e, no caso de comerciante, impossibilidade de participar de licitação pública.

José Henrique Borghi nasceu em Presidente Prudente, interior de São Paulo. Formou em Publicidade e Propaganda pela PUC de Campinas e já concorreu e ganhou vários prêmios pelo mundo. Co-CEO da agência Mullen Lowe Brasil, que é uma rede de comunicação especializada em estratégia de marca, desenvolvimento de conteúdo criativo e comunicação integrada, o publicitário pode ser considerado um dos mais influentes do país e criador de campanhas como “Mamíferos da Parmalat”, memoráveis para a população brasileira. No ano de 2016, a agência de José Henrique Borghi conquistou dois ouros no Prêmio Colunistas Brasil.

Novos quiosques vão ser implantados na região portuária do Rio

Resultado de imagem para região portuária do rio de janeiro

No segundo semestre desse ano, as obras para a revitalização da Região Portuária do Rio , irão recomeçar com uma nova etapa do projeto, segundo a Companhia de Desenvolvimento Urbano do Porto (CDurp). Novos quiosques serão feitos no Boulevard Olímpico e Orla Conde, que são pontos turísticos bem visitados do Rio de Janeiro. Serão 26 novos quiosques, nesse próximo passo do projeto.

Além dessas estruturas novas, a Zona Portuária vai receber novos pontos de ônibus, tendo como objetivo o estabelecimento da ocupação desse espaço.

Os recursos dessas obras, de acordo com a CDurp, no valor de R$ 4,5 milhões, serão de responsabilidade da concessionária Porto Novo, com uma parceria público-privada (PPP). A Porto Novo, irá investir e deter o direito de explorar a publicidade no mobiliário urbano, sendo que metade fica com ela e a outra metade irá para o cofre municipal.

No total, devem ser instalados 53 quiosques, mas os outros só vão ser colocados em outra fase do projeto. Tudo deve estar pronto em 2026, quando chega ao fim a parceria público-privada com a Porto Novo. O presidente da entidade, Antônio Carlos Mendes Barbosa, declarou que essa primeira fase, ainda não tem uma data definida para o seu término.

Os locais serão destinados para à alimentação dos turistas, lojas de souvenirs e postos de conveniência. A empresa Ótima, vai poder explorar os primeiros quiosques implantados nessa primeira fase.

Antônio Carlos declarou ainda, que a troca dos pontos de ônibus no local, foi uma decisão da empresa responsável pelo projeto, que possui autonomia e busca com isso, uma modernização em relação ao que já foi feito na Zona Portuária. O dinheiro público não será empregado nessas reformas.

Desde o começo da parceria público-privada, já foram gastos cerca de R$ 5 bilhões na região, de um total de R$ 10 bilhões, previsto no projeto.

Turistas e cariocas ficam encantados com o local, apesar da falta de segurança em alguns lugares do Boulevard, ser um ponto negativo, sem contar o atraso nos planos de habitação da região. O número de furtos e roubos cresceram nas imediações da área revitalizada. Empresários alegam que a área está ficando cada vez mais violenta. Um comerciante que teve o seu trailer furtado na Praça XV, e declarou que os assaltantes levaram um gerador de energia e equipamentos de cozinha, tendo um prejuízo total de R$ 8 mil.

O local ficará mais seguro quando os projetos de habitação forem implantados. O problema da segurança só será solucionado, quando um processo conjunto das polícias Militar e Civil, e Guarda Municipal começarem à combater a violência na região, levando a tranquilidade aos turistas e comerciantes do local.

O caso do trailer furtado pode ser considerado pontual, se forem observados os dados de abril desse ano, com o mesmo mês do ano passado, o número de roubos caiu 21%, nos casos registrados em delegacias da Zona Portuária.